Recém Nascidos

CHRIS FLORES DÁ DICAS SOBRE OS PRIMEIROS DIAS COM O BEBÊ

Jornalista, apresentadora do programa Hoje em Dia da TV Record e mãe do Gabriel, de 5 anos,  Chris Flores lançou este mês o livro “Um bebê em casa”, um guia prático com informações, dicas e curiosidades desde o período da gravidez até o primeiro ano do bebê.  Bem voltado para a cultura e realidade da mãe brasileira e sem ditar regras, o livro foi escrito com a colaboração de uma equipe de especialistas entrevistados pela autora ao longo de sua carreira. “Escrevi pensando na mãe moderna, que apesar da correria do dia-a-dia coloca a criação e o desenvolvimento do filho em primeiro lugar”, explica ela. “Eu quis colocar no papel essa minha experiência mas de forma genérica, falando não só o que eu vivi, a minha realidade, mas também o que os especialistas poderiam passar para essas mães para que elas se adaptassem. O objetivo do livro é mostrar que a mãe não é perfeita, que ela não vai acertar sempre e vai ter sempre seus medos e inseguranças, mas que ela tem caminhos a seguir.”

Nesta semana especial sobre recém-nascidos, o Mamatraca traz as dicas da Chris Flores para esta fase tão especial e ao mesmo tempo tão cheia de novidades e incertezas que são os primeiros dias com um bebê em casa.

 

Como receber os amigos

Lembra-se daquela tia-avó que, toda vez que a encontrava, apertava suas bochechas e se mostrava surpresa com o seu tamanho: Se ela ainda existe, seu filho vai ter a mesma figura na vida dele. A tia-avó, o tio bacana que sempre tem os bolsos cheios de doces, o parente distante que aparece em todos os aniversários mesmo sem ser convidado. E prepare-se: todos eles vão querer fazer visitas quando você tiver o primeiro filho. A única diferença é que alguns irão à maternidade e outros esperarão até você voltar para casa.

Os dois momentos têm lados bons e ruins. Na maternidade, você terá enfermeiras para lhe dar algum suporte enquanto você distrai – e se distrai com – os amigos. Por outro lado, o parto está muito recente, e você poderá estar cansada ou sofrendo com dores.  Em casa, você estará mais à vontade, mas ainda se habituando ao bebê e à nova rotina. Geralmente, as pessoas costumam ter mais bom-senso quando estão em um hospital. Os “sem-noção” podem passar da conta, ficar tempo demais contando histórias ou falar alto enquanto o bebê dorme. Em todo caso, prepare-se para as duas situações. Uma boa saída é avisar as visitas via SMS, e-mail, redes sociais ou por telefone que você receberá as pessoas a partir do dia X (geralmente no dia seguinte ao parto), dentro do horário de tal a tal hora, até o dia Y. Se não quiser receber em casa, seja clara: “Não receberemos visitas em casa até o bebê completar um mês, obrigada”

 

Na maternidade

Não sinta vergolha de pedir que suas visitas lavem bem as mãos antes de pegar o bebê. Afinal, as pessoas chegam da rua e todo o cuidado é pouco quando se trata de um recém-nascido. Também insista para que eles falem baixo, não só pelo bem da criança mas também pelo seu – que vai estar cansada – e do restante da maternidade. Se não quiser que as visitas segurem o bebê, peça à enfermeira que não traga a criança enquanto houver gente no quarto. Avise aos amigos e parentes que seu filho pode ser contemplado no berçário, que sempre é envidraçado o suficiente para uma melhor observação. Lembre-se: você é a mãe e pode ditar as regras em relação ao seu filho do seu jeito.

 

Em casa

A primeira regra é não encanar com a bagunça. O carrinho está largado no meio da sala? Sus coisas estão quase se perdendo embaixo de tantas roupas jogadas? Parece que um terremoto passou pela cozinha? Não se preocupe! A estrela é o seu bebê, e seus convidados sabem que todas as suas atenções estarão voltadas para ele.

Deixe sempre à mão, na cozinha, alguns petiscos para oferecer às visitas. Mas, novamente, sem encanações. Podem ser amendoins, salgadinhos, sucos, bolachas. Nada de ir para a cozinha preparar um superjantar. No máximo, se a visita chegar na hora do jantar, peça uma pizza sem constrangimento e distribua guardanapos.

Em casa, vale a mesma regra de pedir que as visitas lavem bem as mãos antes de pegar o bebê. E, mesmo que você seja a mãe mais possessiva, deixe que seus amigos também curtam seu filhote. Aproveite para ir ao banheiro, comer alguma coisa, descansar. Cada minuto vai ser precioso. Mas continue seguindo os horários do bebê: se ele quiser mamar, nada de enrolar um pouquinho mais enquanto conclui uma conversa com o amigo. Os choros falam por si só.

 

Blues e depressão pós-parto

Que contradição: você acabou de passar por um dos momentos mais felizes da sua vida, mas por algum motivo que foge à sua compreensão existe uma tristeza dentro de você, pensamentos negativos que teimam em voltar quando você menos espera.  O blues pós-parto ou blues puerperal, como alguns especialistas chamam, é muito comum, quase universal. Trata-se de uma tristeza que acomete as novas mães em um momento tão delicado. É um choro fácil e temporário. Saber que isso é esperado, que você não é um monstro por estar se sentindo assim, é um grande alívio. Tem um lado hormonal, um lado orgânico, difícil de escapar. Portanto, tire o peso da culpa das costas. Esse é o primeiro passo para passar por essa fase o mais rápido possível.

Não sinta vergonha dos seus sentimentos e procure conversar bastante com o seu parceiro e com o seu médico. Juntos, vocês saberão quantificar essa tristeza, assim como a partir de que ponto é necessário intervir com alguma medicação ou terapia, dependendo da intensidade dos sintomas e das suas causas. Às vezes, trata-se simplesmente de uma equação química: a queda brusca dos hormônios, a falta de neurotransmissores no cérebro, coisas fáceis de serem revertidas com os remédios certos. Em outros casos, você poderá ter problemas de ordem psicológica, como pensamentos ruins, cujo melhor tratamento talvez seja a terapia.

O prazo esperado pela maioria dos médicos antes de tomar atitudes mais drásticas é de duas semanas. Nesse período, ainda se trata daquela tristeza natural. Se você estiver se sentindo incomodada ou achar que a tristeza está além do normal, que aquilo está provocando muito sofrimento, avise logo o seu médico. 

Tags: dicas, entrevista, recém nascido
Postado na sessão Blog por Anne
Logar com:


Cadastre-se Recuperar Senha