Consciência

A SEMANA #53

Basta ser mãe? Ou term que ter consciência?

Essa interpretação faz tanto sentido quanto pode soar como uma grande falácia: afinal, o que é ter consciência quando estamos criando os filhos?

Uma primeira interpretação pode rapidamente falar de escolhas: quando somos mães e pais estamos o tempo inteiro fazendo escolhas para nós e nossos filhos. Ter consciência seria então, em poder de informação, conseguir fazer as melhores escolhas - não esquecendo que estas estão na pilha das escolhas possíveis.

Então uma mãe consciente jamais optaria por alimentação transgênica, excesso de medicalização. Uma mãe consciente estaria sempre ao lado do filho, com suporte emocional. Uma mãe consciente escolheria as melhores escolas, ou peraí! Tem mãe consciente que não coloca o filho na escola, afinal a escola é uma grande ferramenta de massificação dos indivíduos.

E aí nos enveredamos pelo perigoso pacote da mãe consciente. Porque de fato, se fizéssemos uma lista de todas as coisas para as quais temos que fazer escolhas, e uma a uma fôssemos elencando as melhores opções, seria possível estabelecer um grande consenso sobre muitas delas. E ai da mãe que não as adotasse: então ela não é consciente?

Foi aí que surgiu no caminho do Mamatraca a possibilidade de cobrir o seminário "O Poder do Discurso Materno" ministrado pela psicanalista Laura Gutman e organizado pela Lígia Moreiras Sena e Juliana Corullón, no último dia 02, em São Paulo.

Entre muitas outras coisas, foi possível entrar num outro nível de consciência: a mãe consciente é aquela que se conhece.

Uma coisa é certa - o primeiro passo está dado.

Vamos exercitar a nossa consciência?

Tags: mães, maternidade, carta da redação, erros e acertos, comportamento
Postado na sessão Blog por Anne
Logar com:


Cadastre-se Recuperar Senha